"Você encontra milhares de pessoas e nenhuma delas te tocam, e então, você encontra uma pessoa, e a sua vida muda. Para sempre."
(Love & Other Drugs)

PROCURAR CAPÍTULO

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Capítulo 89: Olhe meu estado, Nick.

Capítulo Anterior:
A rua estava deserta e eu resolvi atravessa-la, mas quando menos percebi vi um farol se ligar em minha direção e uma buzina alta em minha direção. A última coisa que vi foi um clarão. Não senti nada além de uma dor terrível em um de meus braços e uma agonia ainda pior em uma de minhas pernas.



Capítulo dividido:
Parte III.

Demi’s POV

Seis e quarenta e sete da noite.

Meus olhos pesavam tanto, que a força que eu fui obrigada a fazer para abri-los fez com que todos meus músculos doessem. Minha visão ainda estava meio embaçada e demorou pra entrar em foco, mas assim que o feito, pude ver paredes brancas por todo lado e aparelhos médicos. Tentei mexer corpo, mas senti uma dor absurda por todo meu corpo. Soltei um xingamento quase incompreensível.
Observei minha perna esquerda estava suspensa e bem presa e quando tentei mexer meu braço esquerdo, vi que o mesmo estava engessado e com uma atadura em volta. Tentei forçar minha cabeça para lembrar o que havia acontecido comigo e flashes da minha fatídica segunda-feira vieram á tona. Minha memória até o segundo em que eu pulei a janela estava intacta, mas depois disso eu não conseguia lembrar de mais nada além de um farol cegando meus olhos.

- Demi? – Escutei aquela voz e todo meu corpo se inebriou. Procurei o dono da voz e vi Nicholas ao meu lado. Prestei atenção melhor na sala e vi minha mãe sentada na poltrona do meu outro lado e Eddie em pé ao seu lado.
- Filha! – Mamãe levantou em súbito. – Como você está? – Perguntou, acariciando meu rosto.
- Dolorida. – Respondi e sorri de lado. Ela tentou sorrir.
- Você podia estar muito pior. – Ela falou séria.
- Estou viva... – Retruquei. Ela suspirou.
- Parece ótima pra mim. – Nicholas falou e senti-o pegar em minha mão.
- Diferente de você. – Tentei soar divertida, encarando-o. – O que aconteceu? – Perguntei, encarando minha mãe.
- Você foi atropelada. Quebrou a perna esquerda, como pode ver, e o braço esquerdo. – Respondeu.
- Ah, e ganhou a costela direita trincada. – Eddie falou, se aproximando e ficando ao lado de mamãe. Ri brevemente.
- Hm, acho que não estou tão ótima assim, Nicholas. – Falei e encarei Nicholas, que me encarava seriamente.
- Agora que ela já acordou, levarei sua mãe para comer algo. Vamos, Dianna. – Eddie falou, puxando minha mãe.
- Ah, não. Eu estou bem. Não precisa. – Ela retrucou apressadamente.
- Vá, mamãe. Estarei bem aqui quando voltar. – Falei divertida. Era mais do que óbvio que eu não iria para lugar algum.
Observei mamãe sair relutante do quarto com Eddie em seu encalço. Assim que eles saíram, voltei meu olhar para Nicholas novamente. O rosto dele expressava puro cansaço. As grandes olheiras debaixo de seus olhos estavam quase que arroxeadas, os lábios secos e com um pequeno corte no lábio inferior.
- Você realmente não está bem. – Falei séria. – Deveria ir pra casa e descansar. Ficarei bem. – Garanti. Ele suspirou.
- Você não sabe o que eu passei desde ontem, não é? – Perguntou meio rude. Ele fechou seus olhos lentamente e apertou-os. Voltou a abri-los e seus olhos estavam marejados. Senti meu coração se apertar.
- Eu estou bem, amor.  – Falei e apertei sua mão.
- Demetria... – Tentou falar, mas as lágrimas começaram a descer por seus olhos. Sua respiração ficou acelerada. Nunca havia o visto assim.
- Nicholas, acalme-se, por favor. Vai tudo dar certo. – Falei e acariciei sua mão.
- Não consigo... – Falou em meio de lágrimas. –... Não depois do que o médico me falou. – Acrescentou e tentou enxugar as lágrimas. Engoli em seco.
- O que ele lhe disse? – Perguntei.
- Ele falou sobre o bebê, Demetria. – Respondeu. – Falou que você estava grávida e que o perdeu. Senti tanto medo de perder você. Eu não podia perder você. Já tinha perdido um filho, que nem mesmo tive a oportunidade de saber que existia – Acrescentou e agachou-se na cama, encostando sua cabeça sobre a cama. Suspirei.
- Amor, está tudo bem agora. Teremos muito tempo pra isso, tenho certeza. – Falei, começando a acariciar seus cabelos, tentando conforta-lo. Seu choro se tornou desesperado. Senti meu coração doer mais ainda.
- E se a sua mãe... Sua mãe não pode tirar você de mim, Demetria. – Falou, ainda chorando, e me encarou.
- Você acha que ela irá se mudar? Olhe meu estado, Nick. – Falei tentando tranquiliza-lo.
- Eu sei, mas... Demetria, por favor, não me deixe. – Levantou-se em súbito e me abraçou como pode, tomando cuidado para não me machucar.
- Eu amo você. Nunca te deixaria. – Falei e acariciei seu rosto como pude.

Meu coração estava dilacerado no momento, despedaçado em milhões de pedaços por ver uma das pessoas que eu mais amo neste mundo do pior estado possível. Nicholas estava frágil, desprotegido e inseguro. Ele estava deixando seus medos falarem mais alto que sua razão, diferente das outras vezes. Ele estava sendo apenas ser humano.
Sabia que estava grávida, não contei á ele e me sentia culpada por vê-lo sofrer dessa maneira. Talvez se eu tivesse dito antes, as coisas teriam sido diferentes e, talvez, sua reação agora fosse diferente. Porém, eu tive medo de contar isso depois de tudo que aconteceu. Estávamos afastados um do outro e depois que minha mãe deu a notícia sobre a mudança eu simplesmente me desesperei. Iria fugir para casa de minha vó paterna. Meu contato com ela era apenas por telefone, pois ela e mamãe não se dão bem graças ao meu querido pai, que nos abandonou. Só que minha vó paterna é totalmente diferente, minha mãe é a única pessoa que não entende isso. Nós mal nos vemos, mas sei que ela iria me ajudar como ninguém.

Assim que Nicholas parou de chorar e se acalmou, cheguei para lado e pedi para que ele deitasse ao meu lado. Ele relutou um pouco, com medo de me machucar, mas eu insisti tanto que ele acabou se dando por vencido. Ele ficou ali comigo e quando mamãe e Eddie voltaram continuou ali. Mamãe não falou nada e ela não pareceu brava por me ver daquela maneira com Nicholas. Eu o acariciava do jeito que podia, tentando conforta-lo e fazê-lo se sentir melhor depois de tudo o que aconteceu.
Não consigo imaginar o quanto cansado ele estava. Não só fisicamente, mas como mentalmente também. Se eu fosse ele, também estaria assim. Não posso nem pensar se algo acontecesse com Nicholas. Lembro que quando ele sofreu acidente por ter me levado pra casa, me senti muito ruim, e naquela época nós não estávamos juntos de verdade. Então, imagina agora?! Acho que eu morreria.
Ele estava mais que cansado, ele estava acabado. Tudo aconteceu muito rápido. Nossa separação, minha mãe querendo se mudar e agora esse acidente e a notícia que eu havia perdido o bebê. Sentia-me horrível por isso, mas precisava ser forte agora. Não por mim, mas por Nicholas. Ele é apenas um ser humano e sente medo como qualquer outro. Mesmo que eu esteja neste estado, agora mais do que nunca eu devo ser forte e mantê-lo amparado, fazer com que ele se sinta seguro.

Mais tarde recebi a visita de Selena, Mikey e tio Max. Tia Mandy não pode vir por causa da Scarlett, mas eu não vi problema algum. Aliás, nem queria que viessem me visitar. Não queria que ninguém visse meu estado lamentável e sentissem pena de mim. Selena chorou horrores e eu me senti ainda pior por ver minha melhor amiga naquele estado. Todos estavam cansados, tristes e preocupados e isso me fazia sentir a pior pessoa do mundo, pois estavam assim por minha causa. Pelo modo de fuga ridículo que eu arranjei.

Consegui convencer Nicholas a ir para seu apartamento descansar e se alimentar bem. Disse que se ele fizesse isso por mim, amanhã ele poderia ficar aqui no lugar de mamãe, que também precisava descansar e se alimentar direito urgentemente. Mas é claro que ela não iria hoje, bateu o pé e disse que daqui não saía. Que precisava cuidar de mim, mas, no fim concordou de fazer a tal troca com Nicholas. Fiquei mais feliz com isso.
Eddie foi embora junto com Nicholas. Ele esteve todo o tempo junto com mamãe e isso me deixou feliz, pois esse acidente trouxe algo bom: juntou novamente minha mãe com o homem que eu sei que ela ama.

A enfermeira trouxe meu jantar e me avisou que amanhã de manhã eu tinha fazer alguns examines e que dentro de uma semana eu poderia voltar pra casa, mas deveria fazer a fisioterapia – o que seria discutido em outra hora, pois isso deveria ser marcado com um médico especifico.


Eddie voltou ao hospital, trazendo algumas coisas para mamãe e depois foi embora, me avisando que amanhã viria me ver de novo. Durante o restante da noite mamãe e eu trocamos poucas palavras. Só nos falávamos quando ela vinha perguntar se eu estava bem ou precisava de algo. Preferi me concentrar em descansar enquanto mamãe preferiu se distrair em assistir qualquer programa na televisão ou ler um livro. Ela ainda não tinha dito nada sobre o bebê comigo e isso me preocupava um pouco. Assim como eu me preocupo por ela não ter perguntado nada sobre o bilhete, para onde eu iria, quem era a pessoa de minha confiança. Mas preferi não me manifestar, estava cansada e quis me poupar. Talvez mamãe também quisesse me poupar. Talvez nós tivéssemos essa conversa mais para frente. 

_________________________________________
Terceira e última parte do capítulo 89 postada! Esse capítulo não foi tão triste quanto os outros, mas, ainda sim, a gente sofre com o Nick. No próximo capítulo cês vão entender melhor as coisas e, infelizmente, temo que o próximo capítulo também será sofrível. Então, preparem os lencinhos! O final tá chegando, genteeeeeee. Ai, ai, ai! O que cês acham que vai rolar? Me contem aí, babies! Até segunda-feira, beijocas!

8 comentários:

  1. Sofrendo, fic terminando e esses capítulos como você disso sofríveis acabam comigo.. ain tadinho do Nick tão fragilizado por causa do bebê, tadinho ele ta perdido.. mesmo sofrendo kkkk tô adorando os capítulos. Quando sinto que o fim esta se aproximando já fico tisti kk bjs e ate segunda
    Ass.: Cys

    ResponderExcluir
  2. Amei o capitulo. Tá me matando o Nick desse jeito. Amo demais. Fiquei surpresa da Demi saber da gravidez, acho que ela se segurou bastante ali pra ajudar o Nick.
    Essa conversa dela e da Dianna promete.
    Louca pelo próximo. Sou apaixonada nessa fic
    Beeijao Mila :)

    ResponderExcluir
  3. Dps desse seu comentário. Aja coração. Já chorei demais. Anciosa aqui. Nem imagino a conversa delas. Mas acho que elas vao se acertar. Dianna já teve um pouco de ideia de como o Nick se sente em relação a Demi
    Bj bj

    ResponderExcluir
  4. Sexta, chega logooooo

    ResponderExcluir