"Você encontra milhares de pessoas e nenhuma delas te tocam, e então, você encontra uma pessoa, e a sua vida muda. Para sempre."
(Love & Other Drugs)

PROCURAR CAPÍTULO

sábado, 9 de março de 2013

Capítulo 07: Eu sei como você se sente...


Capítulo Anterior:
Quando terminamos de almoçar,eu voltei ao meu quarto. Escovei os dentes e deitei por uns 30 minutos,depois comecei a arrumar minhas coisas no quarto.
 


#DemiOn

Coloquei dois mural, um eu enchei com todos os desenhos de Alex. Esse mural era enorme, afinal não eram poucos desenhos. O outro deixei vazio. Iria colocar fotos minhas, dos meus possíveis futuros amigos e fotos que eu fotografasse. Tenho que confessar que, fotografar sempre foi minha paixão,meu  sonho. Antes de Alex morrer, eu pensava em fazer faculdade de fotografia e exerce a profissão. Mas depois disso, eu acabei desistindo e esquecendo tudo, cheguei até a quebrar minha câmera profissional. Também devo confessar que, desde que cheguei aqui, essa ideia de fotografar me voltou a cabeça. Na verdade, muitas coisas que eu sonhava, criava expectativas, haviam voltado a minha cabeça, depois que vim morar aqui. Mas tinha medo, medo de tudo isso...Afinal tinha desistido de todas essas coisas, após perder Alex e ser internada. Continuei arrumando os detalhes do quarto, colocando acessórios e coisas do tipo, coloquei um pôster do MCR na parede onde minha cama estava encostada. Depois que terminei, fui até meu closet e comecei a arrumar as roupas lá dentro. Estava com tanto boa vontade, que quando terminei de arrumar as roupas, não me senti nenhum pouco cansada. Olhei o relógio do celular e marcava 15:25. Ótimo, daqui a pouco Travis chegaria. Me levantei e procurei minha mochila, quando a encontrei, tirei o caderno, estojo e livros,colocando sobre a  mesa que a havia ali. Depois me deitei novamente, liguei a tv e coloquei em um canal qualquer. Estava passando um filme, não prestei muita atenção no filme, pois era bem idiota. Ouvi a campainha tocar e me levantei em um pulo. Sai do meu quarto, desci as escadas e  segui em direção a porta. Abri a mesma e vi Travis com sorriso lindo e o skate nas mãos.
- Demi: Oi! Entra! – Falei sorrindo e dando espaço para que ele passasse.
- Travis: Eai! – Falou e entrou. – AP legal! – Falou olhando em volta.
- Demi: É, é bem legal mesmo. Mas vem, vamos estudar. Lembra? – Perguntei rindo.
- Travis: É, infelizmente. Vamos! – Falou um tanto desanimado.
O levei até meu quarto, o puxando pela mão. Depois abri a porta e disse para ele entra. Ele entrou e já se jogou na cama. Legal, Travis é do tipo cara de pau e folgado.
- Demi: Você é folgado hein. – Falei rindo e me deitando ao lado dele.
- Travis: To cansado! Andar de skate não é fácil. – Falou rindo e se sentando. – Anda, vamos estudar! – Falou batendo na minha coxa e a mão deixando a mesma ali.
- Demi: Tira! – Falei autoritária.
- Travis: O que? – Perguntou fingindo que não estava entendendo.
- Demi: Tira sua mão daí. – Falei levantando uma sobrancelha.
- Travis: Fica de boa Demi, somos só amigos... – Falou rindo e se levantou. – Vem me explicar, essa porra de uma vez. – Falou rindo e se sentando na cadeira.
Me levantei e caminhei até ele, Travis estava me olhando maliciosamente e na maior cara de pau, estava quase babando em cima de mim. Que legal isso. Travis é tarado!
- Demi: Fecha a boca, se não você baba! – Falei, me sentando ao lado dele, no puff que havia ali.
- Travis: A culpa não é minha se você é gostosa! – Falou rindo. – Tipo, muito, muito gostosa!
- Demi: Não sabia que você era assim... – Falei rindo.
- Travis: Digamos que, eu sou mais reservado. Gosto das coisas só comigo e tal pessoa.
- Demi: Então, você não é o tipo de garoto, pegador. Não é? – Perguntei erguendo uma sobrancelha.
- Travis: Não! Esses ai são o Joe e Logan, mas eles são gente boa. Principalmente o Joe. Você não deveria implicar tanto com ele.
- Demi: Você não deveria se meter nisso. – Falei seca.
- Travis: Ok! Não está mais aqui quem falou. – Falou levantando as mãos. – Vamos estudar! – Falou abrindo o caderno.
Comecei a explicar o conteúdo para o Travis. Eu não era a melhor professora do mundo, mas segundo Travis, eu estava me saindo bem. Ele estava conseguindo entender o assunto e isso que importava. Demos uma parada e fomos comer, Carmem não estava em casa. Ela foi fazer não sei o que em não sei a onde. Fiz um sanduiches para mim e para Travis, comemos juntos com uns dois ou três copos de suco. Depois que terminamos de comer, voltamos para o quarto e ele se jogou novamente na minha cama, eu me deitei ao lado dele. Ele estava olhando para o porta retrato de Alex.
- Travis: Quem é ele? – Falou, se sentando e pegando o porta retrato na mão. Sabia que não ia demorar para ele perguntar isso.
- Demi: É meu irmão mais velho. – Falei e sorri de leve. – Tá vendo aqueles milhões de desenho? – Perguntei apontando os desenhos no mural. Ele olhou para os desenhos. – Foi ele que fez, todos eles...
- Travis: Nossa! Ele é foda! Onde ele está? – Perguntou.
- Demi: Está morto... – Falei e desviei o olhar.
- Travis: Ah, Demi...Eu sinto muit... – O interrompi.
- Demi: Eu sei, você sente muito. Eu sei. Eu sei. Tudo bem. Não quero falar disso. – Peguei o porta retrato das mãos dele e coloquei no devido lugar. Sem mas e sem menos, Travis puxou minhas mãos e as virou com as palmas para cima. Podendo ver perfeitamente minhas terríveis marcas nos pulsos.
- Travis: Eu sei como você se sente... – Falou e beijou meus pulsos. Eu sorri. – Sabe... – Falou voltando olhar para mim e fazendo carinho nos meus pulsos. – Eu perdi meus pais quando tinha 9 anos. Eu os amava muito, muito mesmo. Claro né, eles eram meus pais. Perder eles, foi a pior coisa do mundo. Até hoje eu lembro de cada detalhe deles. Lembro do meu pai fazendo eu e minha mãe rir, lembro dos risos e sorrisos deles. Lembro que minha mãe massageava minhas costas antes de dormi, lembro que meu pai me ensinou a tocar violão e andar de skate. Sim, meu pai me ensinou a andar de skate. Lembro de minha mãe me dando beijos, quando cai e me abraçando, dizendo que tudo ia ficar bem, quando eu tinha pesadelos. Lembro do meu pai me chamando de “parceirão” ou “amigão”. Sinceramente, éramos de verdade e com todas as letras, uma família feliz. Tínhamos momentos de brigas, mas eram tão raros. Quando eles se foram, eu me perdi completamente. Fui morar com a minha avó. Ela é uma mulher maravilhosa, me trata super bem. Mas sempre falta e sempre vai faltar. Eu acabei ficando uma criança sozinha, triste e rebelde. Não tinha amigos e nem nada disso, fazia muitas cosias erradas. Que hoje eu não gosto nem de dizer e muito menos de lembrar, mas não tenho vergonha de dizer. Na verdade, tenho orgulho. Então quando fiz 15 anos ,minha avó e eu, nos mudamos para cá e eu conheci Miley,Nick,Logan e Joe. No começo eu fui meio arisco, não queria fazer amizade com eles. Mas eles acabaram me conquistando. Um dia eu fui em uma festa e conheci as pessoas erradas, me envolvi de novos com coisas erradas. Comecei a usar drogas, comecei a roubar pessoas, menos a minha avó. Acho que não estava tão louco assim, pois era incapaz de rouba-la. Nick, Miley, Logan e Joe,se afastaram de mim. Eu não os culpo, ninguém quer ficar perto de um drogado.  Cheguei ao ponto de ser preso, mas Joe e Nick, pediram ao seu pai a pagar um advogado para me soltar e conseguiram. Fiquei solta e continuei a fazer merda. Até que um dia eu desisti de viver. Tinha cansado de dar desgosto as pessoas que me amavam, principalmente a minha avó. Achei que não tinha como recomeçar, como virar uma pessoa melhor. Então um eu tentei me enforcar. – Nesse momento me lembrei de Alex. Como ele tinha se matado. De quando eu o encontrei. Enforcado no seu quarto. - Mas não tive sucesso, Miley e Nick me acharam a tempo. Minha avó ficou horrorizada com a cena, me lembro dela contando isso. – Ele riu sem humor. – Fiquei uns dias hospitalizado, e os quatro ficaram comigo no hospital. Joe e ele começou a me dar um sermão daqueles. – Ele riu sem humor, mais uma vez. – Começou dizendo que se eu não melhorasse, ia falar com a minha avó e eles iriam me internar. Porque ele não aguentaria perder mais uma que ele amava. – Nesse momento, eu o olhei sem entender. Eu ia pergunta, mas não. Deixei que ele continuasse com a sua história. – Daquele dia em diante eu decidi que ia mudar, que não seria mais o mesmo. Porque já estava cansado de decepcionar as pessoas que eu amava e que me amavam. Mas, eu realmente mudei, porque eles acreditaram em mim, acreditaram que eu podia. E eles estavam certos. – Ele parou de falar e respirou fundo. – Então Demi, não faça nada de errado. Sei que a gente se conheceu hoje, mas já pude ver que você é uma garota incrível, animada e uma boa garota. Eu não sei o que te fez vir pra Los Angeles, mas sei que você tem pessoas aqui te amam muito. Não desista, porque ninguém aqui vai desistir de você.
- Demi: Quem diria que o idiota do Joe, ia te fazer mudar. – Falei e ri.
- Travis: Sabe Demi, você deveria dar uma chance ao Joe. Ele é um cara legal e tem seus motivos para ser quem é hoje.
- Demi: Você se refere a tal pessoa, que ele amava e perdeu? – Perguntei, um tanto curiosa.
- Travis: É! Mas não vou falar sobre isso com você...Até, porque a vida é dele. Só quero que sabia, que você não deve desistir de si mesma. Sei que a gente não teve tempo pra se conhecer ainda, mas, eu sinceramente te acho uma garota incrível. Sei que você tem muito a mostra! Você é forte!
- Demi: Não fala isso...Você não sabe de nada. – Falei baixinho, quase em um sussurro.
- Travis: Seu irmão, com certeza não ia gostar de te ver assim...
- Demi: Como você? O meu irmão se matou! – Me levantei. - Ele se matou, Travis! Ele desistiu! Por que eu tenho que ser diferente? Não vejo motivos para continuar, já que a pessoa que mais amava nesse mundo, se foi...
- Travis: Muitas pessoas amam você.  – Se levantou e ficamos frente a frente. - Seu pai,Carmem...Sua mãe, mesmo depois de tudo que você me contou sobre ela, eu acredito que ela te ame! – Ele me abraçou. – E tenho certeza, que eu e o resto da galera,até o Joe. Vamos te amar também, é só questão de tempo. Porque como eu disse, você é uma garota incrível. – Falou no meu ouvido.
- Demi: É melhor você ir embora. – Falei desfazendo o abraço e me virando de costa para ele. – Já terminamos de estudar.
- Travis: Tudo bem, Demi. Não me levar até a porta? – Perguntou meio triste.
- Demi: Não! - Falei seca, ainda virada de costas.
- Travis: Nós vemos amanhã? – Perguntou esperançoso.
- Demi: Sim! – Falei sem o olhar.
Quando Travis foi embora, eu arrumei meu quarto. O deixando em ordem, depois peguei meu maço de cigarro e fui até a sacada do meu quarto fumar.
-------x-------------
Aí tá o cap 7, espero que gostem! Esse cap tá meio sem graça, mas espero que gostem. 6 comentários para o próximo cap!!!

7 comentários:

  1. preciso do próximo capitulo assim como uma pessoa normal precisa de ar pra viver/Victória.

    ResponderExcluir
  2. veeeeey ta lindo/perfeito postaa logoo =)

    ResponderExcluir
  3. So nova aq mas to amando sua fic esta perfeita fala pra mi min q vc posta todos os dias pq eu to morrendo aq ja posta logoooooo por favor

    ResponderExcluir
  4. Lindo, perfeitooo! Posta Logoo! <3

    ResponderExcluir
  5. Perfeeeeito! Posta logo ok?! Bjuuus

    ResponderExcluir
  6. Acho que a Demi não precisa de falar com o Travis, mas o que aconteceu com o Joe.
    Posta logo
    beijos

    ResponderExcluir
  7. Aiiii acho q vou ter um heart attack postaaaa logoooo

    ResponderExcluir